Observatório – Life is Strange e outros jogos focados em história: por que são diferentes?

LifeStrange_11

Por muito tempo os jogos foram tidos como brinquedos, uma forma divertida de interagir com um pequeno mundo digital, fosse atirando em monstros, destruindo naves espaciais ou lutando contra adversários épicos. Porém, recentemente um novo aspecto passou a ser valorizado nos jogos: a história. Hoje muitos jogadores procuram uma experiência que não divirta apenas pela jogabilidade, mas que também mostre personagens e enredos com os quais as pessoas possam se identificar e se emocionar.

E foi como um expoente desse conceito de “foco em história” que surgiram os walking simulators. O termo, que pode ser traduzido como “simulador de caminhada”, foi usado inicialmente de forma irônica para descrever jogos com ênfase na exploração do cenário e diálogos com os personagens, sem muitos momentos de ação. Apesar de games nesse estilo serem considerados entediantes por muitos jogadores, eles vem ganhando uma legião de fãs cada vez maior, e grandes empresas como Square Enix e Sony estão investindo em produções do gênero.

Como um grande fã de walking simulators (que também são conhecidos como “filmes interativos” devido a combinação entre visual/interativo), decidi trazer neste post algumas recomendações de jogos do gênero, bem como construir um pequeno sistema de classificação para eles. Em homenagem a Max Caulfield, personagem principal de Life is Strange, vamos chamar esse sistema de Escala Caulfield para jogos focados em história. Esta escala é dividida em 3 níveis:

Nível 1 – Temos um Sherlock Holmes por aqui

Características: Ênfase na ação e aventura, controle através de quick-time events

Nessa categoria estão os walking simulators mais focados em ação e aventura. Geralmente possuem algum tema misterioso ou investigativo, o que acaba resultando em descobertas chocantes e momentos de tensão para os personagens. Bons exemplos são Fahrenheit: Indigo Prophecy, Beyond Two Souls e Heavy Rain, do diretor David Cage, um dos pioneiros no mundo dos filmes interativos. Nestes jogos, o personagem nem sempre pode ser controlado livremente pelo jogador, mas sim através de quick-time events (ou “eventos rápidos”, em uma tradução livre).

Durante um quick-time event, combinações de botões/teclas aparecem na tela, e o jogador deve pressioná-las na ordem certa em um tempo determinado para que o personagem consiga superar o desafio (Ex.: desviar de uma flecha ou subir em uma árvore). Se o jogador demorar demais ou errar a ordem, a ação não será bem sucedida (Ex.: personagem é ferido pela flecha ou cai da árvore). Há porém jogos com outras abordagens. Em Life is Strange, é preciso mover o personagem e apontar para os objetos para realizar qualquer ação, o que dá uma sensação de liberade um pouco maior.

Nível 2 – Caminhando e contando histórias

Características: Ênfase na exploração e enredo. Movimentação em estilo plataforma.

Nessa categoria estão games nos quais o jogador foca menos em pressionar botões no controle e mais em observar o enredo e o ambiente em que o personagem se encontra. Considero esta parte da escala como um meio termo, pois apesar de serem jogos relativamente lineares, eles ainda permitem um grau de movimento e liberdade. Um exemplo disso é Night in the Woods, um jogo com gráficos 2D que te permite explorar a cidadezinha de Possum Springs na pela de Mae, uma gata que tem a habilidade de subir em postes, caixas de correio e outros objetos. Além da interação com as construções da cidade e um mini-game onde o jogador pode tocar contrabaixo dedilhando as “cordas” do instrumento através do teclado/controle, não ocorrem momentos de ação “explosiva”.

Mas como para toda a regra há uma exceção, gostaria também de citar nesta categoria os jogos Limbo e Inside. Em ambos, o jogador está na pele de um garotinho que deve explorar um mundo repleto de perigos. Apesar dos desafios poderem ser considerados como momentos de ação, é importante notar que estes se apresentam de forma mais limitada e menos intensa. Ao contrário de Heavy Rain, onde em muitos casos o jogador pode escolher entre 5 ou 6 opções de ação, cada uma com diferentes consequências, os jogos de nível 2 na escala Caulfield se mantém na boa e velha fórmula dos plataformas: o personagem pode andar, pular e manipular alguns objetos simples no cenário.

Nível 3 – Se tirar os controles vira filme

Características: Ênfase na exploração e enredo. Movimentação básica ou através de cliques.

Muitos jogos tornam a interação entre personagem e ambiente algo mais indireto e limitado. Em vez de o jogador controlar um personagem que pode pular e correr livremente de um lado para o outro, a interação é realizada exclusivamente através de cliques, contando ou não com algum movimento limitado do personagem. A ação e aventura nem sempre estão presentes no enredo, sendo que em muitos casos estes jogos abordam temas mais introspectivos e emocionais. Nesta categoria podemos classificar todos os jogos point-and-click, bem como alguns exemplos famosos do gênero walking simulator que envolvem a exploração de ambientes e dos objetos que neles existem, como Gone Home e Dear Esther.

Considerações Finais

Apesar de muita gente argumentar que os jogos focados em história são todos iguais, a verdade é que cada um apresenta suas histórias de uma maneira diferente. Uns preferem que o jogador explore o enredo e personagens através de imagens e documentos, outros preferem diálogos, puzzles e outros meios mais interativos. Além disso, cada jogo tem suas próprias mecânicas de gameplay, que podem ser mais ou menos atrativas dependendo do gosto do jogador. Se você gosta de ação e de se tornar o “mestre” dos controles de um jogo, os games mais perto do nível 1 da escala são para você. Se você prefere algo mais calmo e que não exija muita habilidade ou rapidez para manipular os controles, os jogos do nível 3 podem ser do seu agrado. Segue abaixo uma pequena tabela com os jogos citados neste texto e muitos outros, para que você possa jogar e tirar suas próprias conclusões.

tab

Fontes das imagens:

https://www.lifeisstrange.com/en-us

http://www.nightinthewoods.com/

https://store.steampowered.com/app/232430/Gone_Home/

https://www.newgamenetwork.com/media/17974/life-is-strange/

2 comentários em “Observatório – Life is Strange e outros jogos focados em história: por que são diferentes?

Os comentários estão encerrados.