Observatório – Inovação nos jogos de tiro em primeira pessoa

BFV_EAPlayScreenshot_14_wLogo-600x338

O gênero FPS (sigla para “first-person shooter” ou “tiro em primeira pessoa”, em uma tradução livre) é um dos mais populares entre os gamers, e essa fama vem desde os anos 90, com o advento dos primeiros jogos neste estilo, como Wolfenstein, Doom e Quake. Apesar da maioria dos jogadores gostar da atmosfera de ação e aventura que esses games proporcionam, toda fórmula que é repetida demais acaba enjoando mais cedo ou mais tarde. Sendo assim, na atualidade muito se fala em renovar os shooters, incluindo diferentes mecânicas de jogo, histórias e possibilidades ainda não exploradas. Neste post, falarei um pouco sobre 5 tendências para o gênero FPS, que já estão mostrando a cara em muitos jogos.

1. Battle Royale

O modo Battle Royale recentemente se tornou uma febre graças a jogos como Player Unknown’s Battlegrounds e Fortnite Battle Royale. A lógica é simples: o último jogador que sobreviver, vence. A partida ocorre em um mapa de grande extensão no qual os jogadores pousam de paraquedas em diferentes locais, onde devem buscar por armas e recursos para seguirem na batalha. Essa ideia havia sido pouco explorada em shooters, mas não é exatamente nova. Jogos como Halo: Combat Evolved (2001) e Unreal Tournament (2004) já tinham modos de jogos semelhantes, mas com outros nomes: “Elimination” e “Last Man Standing”, respectivamente. Contudo, os Battle Royales modernos tem uma diferença: a área jogável do mapa vai diminuindo com o passar do tempo, fazendo com que os competidores se aproximem cada vez mais e fiquem sem ter como se esconder. Aí a opção é partir pro ataque, ou morrer.

2. Grand Operations

Com data de lançamento prevista para o final de 2018, Battlefield V já chama atenção no beta ao apresentar um novo modo de jogo chamado “Grand Operations” (video abaixo). Este modo busca replicar a atmosfera das grandes batalhas da Segunda Guerra Mundial, dividindo a ação do jogo em 4 dias consecutivos. No primeiro dia, o jogador chega de paraquedas ao campo de batalha e tem como missão plantar bombas para destruir a artilharia inimiga. No segundo dia, o jogador avança e invade um pequeno vilarejo mais ao centro do mapa, que está sendo guardado por adversários. Neste ponto, o objetivo passa a ser dominar determinadas área do mapa para vencer. No terceiro dia a missão permanece a mesmo, e caso não haja vencedor a batalha se arrasta para um quarto e último dia, onde cada jogador terá apenas 1 vida e munição limitada.

3. Construção

Uma das coisas que mais chama a atenção em Fortnite é a possibilidade de construir obstáculos durante a batalha. O jogador pode coletar recursos ao longo do mapa (como tijolos, madeira e metal) e utilizá-los para construir diferentes combinações de plataformas, paredes, escadas e coberturas. Essa é uma das mecânicas mais inovadoras que apareceram nos shooters nos últimos tempos, e a tendência é que mais jogos venham a adotá-la. Até Battlefield V, do qual falamos no tópico anterior, permitirá a criação de barricadas e outros obstáculos no modo Grand Operations. A possibilidade de construir torna o jogo bem menos linear e abre um novo leque de estratégias a serem aplicadas individualmente ou em grupo. Querendo uma melhor visão do terreno? Construa uma escada. Quer um bom esconderijo ou uma maneira de barrar o movimento inimigo? Levante uma parede!

4. Novas histórias

Battlefield One chamou minha atenção por trazer diferentes histórias da Primeira Guerra Mundial em sua campanha. Dos soldados britânicos, italianos e americanos que lutaram na Europa até os guerreiros beduínos sob o comando de Lawarence da Arábia no Oriente Médio, várias nacionalidades relatam suas aventuras, sofrimentos e atos de coragem. Esses cenários são inovadores pois diferem um pouco do que por muitos anos foi o foco de série como Call of Duty e Medal of Honor: os soldados americanos. Embora a contribuição dos EUA tenha sido muito relevante em ambas as grandes guerras, é importante lembrar que há muito mais a ser contado do que estamos acostumados a ver nas produções de Hollywood. No quesito enredo, Battlefield V voltou a surpreender, apresentando uma personagem feminina que “veio para ficar”, conforme declarou Oskar Gabrielson, gerente geral da desenvolvedora DICE.

5. Estratégia e ação

A mistura entre os gêneros MOBA e FPS provou ser uma ideia de sucesso, visto a popularidade de jogos como Overwatch e Paladins: Champions of the Realm, principalmente no mundo dos eSports. E isso se deve ao fato de que ação unida a estratégia pode criar uma fórmula tão competitiva quanto divertida. Os MOBAs (sigla para Multiplayer Online Battle Arena, ou “Arena Online de Combate Multiplayer”) geralmente contam com mapas com múltiplas ramificações e personagens cativantes com diferentes habilidades. Este tipo de jogo da ênfase na estratégia, sendo que cabe ao jogador escolher a melhor combinação de personagens para uma determinada situação. Além disso, habilidade individual não basta: o jogador deve ter um bom entrosamento com outros membros de seu time para alcançar os melhores resultados.

 

Fontes:

https://www.bleedingcool.com/2018/06/18/battlefield-v-grand-operations-feel-like-squad-mode-battle-royale/

https://canaltech.com.br/games/battlefield-v-personagem-feminina-veio-para-ficar-afirma-executivo-da-dice-114652/

http://www.expertreviews.co.uk/games/1406690/battlefield-V-release-date-news

https://liandri.beyondunreal.com/Last_Man_Standing

http://halo.wikia.com/wiki/Elimination

https://www.pubg.com/

Um comentário em “Observatório – Inovação nos jogos de tiro em primeira pessoa

Os comentários estão encerrados.