Jogos da semana: o bom, o médio e o feio

1. Alto’s Odyssey
Desenvolvedor: Noodlecake Studios Inc.
A princípio, Alto’s Odyssey parece um endless runner como muitos outros. O objetivo é conduzir o personagem, que esquia pelo deserto utilizando uma prancha, tão longe quanto possível. Para isso, é necessário desviar de pedras, pular sobre precipícios, deslizar em paredões de pedra e até ricochetear em balões de ar quente. As possibilidades de movimentação e manobras são bem interessantes, e o constante fluxo de objetivos para completar e locais para descobrir mantém o tédio sempre longe.

Mas o game brilha mesmo é na junção desse gameplay interessante com uma arte 2D exuberante e uma trilha sonora de tirar o fôlego. Apesar de simples, o jogo faz o deserto parecer algo vivo e belo. Ao longo da viagem, seu personagem vê o sol nascer e se por, pega chuva, tempestades de areia e encontra animais selvagens. E é para que o jogador possa aproveitar melhor toda essa experiência que Alto’s Odyssey traz também um “zen mode”, onde você relaxar e ficar deslizando pelas areias sem se preocupar com obstáculos, apenas observando a paisagem.

 

2. Cosmic Gravity
Desenvolvedor: Some Hipster Punk
Em Cosmic Gravity, você explora o espaço com uma nave equipada com um raio trator. Esse raio pode ser usado tanto para mover a nave quanto para desviar meteoros que vem na direção dela. O único problema é que o raio gasta energia da nave, sendo assim, é necessário usá-lo com sabedoria. Essa é uma mecânica interessante, e que me deixou empolgado em um primeiro momento.

Porém, 2 coisas rapidamente me desanimaram: a falta de objetivos e de um melhor acabamento visual no game. Não existe um objetivo final, sendo que a sua única missão é sobreviver tanta tempo quanto possível sem se chocar com um meteoro ou ficar sem energia. Além disso, não é possível pular o tutorial, e mesmo após desativá-lo nas configurações ele volta a aparecer a cada início de jogo.

 

3. Tomb of the Mask (TotM)
Desenvolvedor: Playgendary
Tomb of the Mask sofre de um problema de muitos jogos da atualidade: tem um visual atrativo e um gameplay extraordinário, mas os anúncios e microtransações acabam sendo um incômodo para qualquer jogador que queira aproveitar a experiência sem pagar nada. Nesse jogo com visual colorido e inspirado no Atari, o objetivo é conduzir o personagem até o final de um labirinto repleto de armadilhas. A ideia é chegar até o final sem morrer, mas sem esquecer de coletar moedas pelo caminho.

O jogo progressivamente apresenta novas armadilhas e desafios que exigem agilidade por parte do jogador. A partir de certo ponto, as “mortes” começam a ficar mais frequentes por conta da dificuldade, e aí chegou o ponto que mais me desagradou: a cada morte você é obrigado a assistir um anúncio de 30 segundos, sem falta. Depois de 4 mortes, é necessário esperar a “energia” do seu personagem recarregar (ou comprar mais energia).

 

Baixe e experimente!

 

Fonte das imagens:

  • Página dos respectivos jogos na Google Play

Um comentário em “Jogos da semana: o bom, o médio e o feio

Os comentários estão encerrados.