Análise – Tomb Raider (2013)

Tomb Raider (2013)

Desenvolvedor: Crystal Dynamics

Data de lançamento: 05/03/2013

Plataformas: Windows, Linux, Mac, Playstation 3, Playstation 4, Xbox 360, Xbox One

Enredo
Lara Croft, uma arqueologista, participa de uma expedição para o misterioso Triângulo do Dragão (Dragon’s Triangle), uma área na costa do Japão conhecida por abrigar diversas ilhas e um mar revolto. Porém, como é de se esperar o navio da expedição naufraga e a partir daí Lara precisa fazer de tudo para sobreviver na ilha de Yamatai. O local é lar de eventos sobrenaturais e do cruel culto dos Solarii, um grupo de homens que venera Himiko, rainha japonesa ancestral que teria o poder de controlar o clima. Para encontrar uma forma de sair da ilha e manter seus amigos em segurança, a personagem precisa bater de frente com os Solarii enquanto investiga as estranhezas que cercam Yamatai.

Jogabilidade
Ao longo da história são apresentadas várias mecânicas de jogo que permitem o jogador se locomover de forma mais eficiente e explorar o espaço ao seu redor. O arco-e-flecha, inicialmente uma ferramente de caça, mais tarde se converte em arma para matar furtivamente os inimigos e “lançador de corda” para criar tirolesas e pontes de corda. A machadinha também é multiuso: serve de arma, alavanca, pé-de-cabra e ferramenta de escalada. Lara pode também manusear 3 tipos de armas de fogo (pistola, metralhadora, espingarda), pular, escalar paredes baixas e se dependurar em qualquer borda de pedra ou madeira. Muitas vezes é preciso observar os obstáculos próximos e pensar qual é a melhor maneira de superá-los. Essa é uma das coisas mais divertidas de se fazer em qualquer jogo da série Tomb Raider, tanto os mais antigos quanto os mais novos: conhecer o espaço que te cerca e usá-lo a seu favor.

Estilo visual
A ilha é repleta de diferentes ambientes: existem regiões de praias, florestas, montanhas, campos, cavernas e construções abandonadas. Isso ajuda a criar uma atmosfera de aventura e uma sensação de que a ilha é um lugar real e vivo, sujeito as forças da natureza. Muitas das áreas são interconectadas e ao longo do jogo vale a pena voltar por áreas já superadas para procurar por mais recursos (como munição), tesouros/segredos escondidos ou simplesmente para admirar a paisagem. O estilo gráfico é realista, e o jogo faz um excelente trabalho em retratar condições climáticas e partículas: chuva, neve, neblina, poeira, respingos da água do mar, cachoeiras, fumaça e explosões tem um acabamento excelente.

Trilha sonora
Lara está sempre em meio a natureza, então o som ambiente tem um papel mais importante do que o da música tanto na criação de uma atmosfera interessante quanto como ferramenta para tornar a jogabilidade mais interessante. Prestar atenção nos sons ao seu redor – vozes, passos, tiros – é fundamental para identificar inimigos próximos e pegá-los de surpresa antes que eles peguem você. A música de fato aparece mais junto às cutscenes, geralmente em forma de música orquestral, o que assim como em filmes é usado para dar um tom mais dramático às cenas.

Considerações finais
O enredo de Tomb Raider é sensacional, repleto de mistério, suspense e ação explosiva, mas sem nunca esquecer dos dramas pessoais que permeiam a vida da personagem principal e de seus amigos. A aventura retrata Lara e seu nêmesis Mathias como seres humanos que falham e tem emoções, o que foge um pouco do clichê do herói perfeito/vilão maléfico. O final do jogo serve de introdução para a história dos jogos seguintes da série: “Rise” e “Shadow” (of the Tomb Raider). Os cenários são lindos e cheios de pequenos detalhes e mini-puzzles que podem deixar os mais aficionados entretidos por horas. O combate é eletrizante, variado e muito divertido, apesar de não dar muito controle para ataques furtivos (a personagem pode se esconder, mas não se abaixar). Apesar dos pequenos defeitos, Tomb Raider é uma obra de arte que faz jus ao sucesso da série.

  • Resumo:
    • Recomendado para quem gosta de: aventura, mundo aberto, paisagens, puzzles, enredo cinematográfico
    • Não recomendado para quem: não gosta de muita historinha e puzzles, não curte quick-time events

Fonte:https://store.steampowered.com/app/203160/Tomb_Raider/